segunda-feira, 18 de março de 2019

4 cozinhas personalizadas para o viver contemporâneo, assinadas pela Korman Arquitetos.

Espaços integrados, marcenaria sob medida e materiais de fácil manutenção atendem as necessidades do dia a dia das famílias
Com a retomada do hábito de cozinhar e o desejo de receber família e amigos em torno do fogão, a cozinha consagra-se, definitivamente, como o coração da casa. Para acompanhar o estilo de vida contemporâneo, os projetos para cozinhas exploram a integração com as salas de jantar e estar, além de apostar em marcenaria sob medida para as necessidades do morador e materiais que têm a praticidade como ponto forte. Confira quatro cozinhas assinadas pelo escritório Korman Arquitetos, onde as soluções criativas são protagonistas.


Marcenaria para deixar tudo à mão

Projeto: Korman Arquitetos | Fotos: JP Image


A moradora do loft adora cozinhar para os amigos e a família. Para criar a cozinha dos sonhos, a arquiteta Carina Korman alterou o antigo layout em L ao acrescentar a ilha com cooktop. Na marcenaria, os temperos e grãos relacionados à alimentação saudável ganharam prateleiras exclusivas para deixá-los à vista. Pensando na organização das louças e no cantinho do bar, o escritório se inspirou em modelos antigos e desenhou o bufê de laca verde clara com vidro e pés de ferro. Clara e generosa, a mesa de jantar é rodeada por trios de cadeiras, com cores diferentes em cada lateral, e um banco estofado.

Soluções para poucos metros quadrados


Projeto: Korman Arquitetos | Fotos: JP Image

Na cozinha deste loft masculino, o escritório destaca suas soluções para espaços pequenos. De madeira preta, a porta de correr esconde a pequena área de serviço, que abriga tanque, máquina de lavar e boiler de aquecimento. Quando aberta, a porta cobre a geladeira. Na bancada, as cadeiras Panton, do designer dinamarquês Verner Panton, deixam a área de refeições informal e despojada. O móvel, que aproveita bem o espaço sob a escada, recebe as louças.
Cozinha moderna e funcional


Projeto: Korman Arquitetos | Fotos: Gui Morelli

Na cozinha deste apartamento, a pequena ilha central atende ao hobby da moradora, que adora preparar refeições para seus convidados. Priorizando a praticidade, as arquitetas Ieda e Carina Korman escolheram o aço inox como revestimento da bancada. A marcenaria combina acabamentos em pintura cinza claro e vidro turquesa. Para favorecer o ambiente, a iluminação indireta foi posicionada em vários pontos do forro.
Integrada ao estar

Projeto: Korman Arquitetos | Fotos: Gui Morelli

Para atender ao pedido dos moradores por ambientes integrados, a cozinha é conectada à sala de estar, com o uso do mesmo piso. Nos armários, produzidos com laminado melamínico, predominam a variação do preto e vidro cinza. A mesa de vidro ao centro, que chama atenção por sua altura, foi escolhida para trazer leveza. O objetivo é que, durante uma refeição e outra, os proprietários possam desfrutar da vista geral do apartamento de 150 m².

Sobre a Korman Arquitetos: Korman Arquitetos é mais que um escritório. Representa a geração de arquitetos que levam a marca dos projetos assinados há mais de 35 anos. Formado pelo casal Silvio e Ieda Korman, hoje tem na equipe a força de Carina Korman e, em equipe, assinam projetos residenciais, comerciais e de hotelaria – tanto no Brasil, como também no exterior.

Korman Arquitetos
Rua Groelândia, 1877, Jardim América, São Paulo
Tel.: (11) 3060-8313
www.kormanarquitetos.com.br


Blogger Tricks

sábado, 9 de março de 2019

Muito além dos hotéis: Conheça as experiências inusitadas e transformadoras que farão a diferença em sua estadia

É mais feliz quem vive novas experiências. Se você não acredita, saiba que a constatação é científica. Segundo um estudo realizado na Universidade de Cornell, em Ithaca, Nova York, os níveis de satisfação de um individuo é muito maior ao viver um momento do que ao adquirir bens materiais. Não é por acaso que as viagens trazem tanta felicidade e são lembradas para o resto da vida.

Pensando em tornar as férias dos turistas inesquecíveis, alguns hotéis pelo mundo oferecem experiências únicas, que vão muito além de um simples passeio. Essas são para guardar com carinho e eterizar em um porta-retrato!


Mendoza

Na vizinha Argentina, Mendoza é a cidade ideal para quem busca experiências regadas a um bom vinho. O hotel Casa de Uco cumpre perfeitamente esse papel, já que todas as vilas destinadas aos hóspedes ficam em meio aos vinhedos. Durante todo ano é possível conhecer o processo de produção da bebida e, até mesmo, levar um vinho personalizado, feito pelo hóspede.

Porém, a melhor época para visitar o Casa de Uco é justamente na Vendimia, quando as uvas são colhidas. Durante esse período, o hotel oferece atrações especiais. Os turistas, por exemplo, podem participar da pisa das uvas e degustar um tradicional asado argentino com vista para a Cordilheira dos Andes.


Patagônia 

Enquanto na Patagônia Chilena, os hóspedes do The Singular Patagônia acordam às 5 da manhã para pegar o barco na frente do hotel, que depois de cruzar fiordes e glaciares chegam até a Estância La Península para degustar vinhos locais, ver a produção da lã e experimentar um maravilhoso cordeiro na brasa. A experiência é rica, calorosa e totalmente inusitada em um cenário conhecido por ser gélido e exótico.


Riviera Maya

“All-Fun Inclusive” é o termo que representa o Hotel Xcaret México, em Playa del Carmen, ou seja, já dá para perceber que o hotel garante uma programação completa aos seus hóspedes. Além de ter onze restaurantes em seu complexo – dez estão inclusos na tarifa – o hotel dispõe de praias particulares, onde o turista pode andar de caiaque ou praticar SUP. 

Também há piscinas espalhadas por todo o resort – uma, inclusive, dedicada as crianças. Mas o melhor é que todos que se hospedam no hotel têm entrada liberada nos parques e experiências Xcaret (como visitar os cenotes e a zona arqueológica de Chitchén Itza). Por fim, a grande novidade desse ano será o parque Xavage, com diversas atrações radicais. A previsão para inauguração é maio.


Alentejo 

Aos pés de uma pequena vila do Alentejo, chamada Monsaraz, está o São Lourenço do Barrocal. A propriedade pertence à mesma família há cerca de 200 anos e foi inteira reconstruída respeitando as instalações em seus primórdios. O hotel representa a verdadeira essência da região. Produz seu próprio vinho, azeite e os restaurantes utilizam ingredientes da horta.

Quanto aos passeios promovidos pelo hotel – e que são ótimas opções para quem quer aproveitar agora o inverno europeu – nada foge à regra. Para quem gosta de história, o hotel oferece um tour arqueológico guiado. Nele pode-se observar tanto formações geológicas antigas, como monumentos pré-históricos. Se a ideia é contemplar a natureza, escolha a observação de aves para descobrir a diversidade de cores e espécies oriundas do norte da Europa e da África.

Outra opção incrível é percorrer a propriedade e as estradas ao seu redor para visitar lindas paisagens, descobrir vinhedos e produtores locais para degustar vinhos, azeites e queijos. Para a temporada o hotel também oferece prova de vinho e visita a adega da propriedade, passeios a cavalo e workshop de coquetéis da estação.


Miami

Miami é praticamente sinônimo de compras para os brasileiros. Mas lembrem-se que bens materiais não trazem tanta felicidade quanto viver experiências. Pensando nisso, o EAST, Miami, em Brickell, tem em seu complexo dois espaços de convivência incríveis e que podem proporcionar momentos únicos com amigos, familiares ou em casal. Para começar, o Sugar, rooftop que fica no 44º andar do edifício tem um pôr do sol de tirar o fôlego. Sim, o que parece simples pode tornar a viagem inesquecível, ainda mais se for contemplado com um bom drinque.

Outra experiência interessante no EAST é conhecer um brunch noturno. Isso mesmo! Ao invés de ser servido pela manhã, o brunch asiático é oferecido ao fim do dia no Tea Room – um espaço que antes não era aberto ao público e hoje funciona como um spot secreto para uma noite memorável com amigos.


quinta-feira, 7 de março de 2019

Guia de tapetes: arquiteta Ana Yoshida desvenda os mistérios para a escolha do modelo ideal.

A arquiteta Ana Yoshida compartilha informações que ajudam a definir tamanho, tecido e cor dos tapetes de cada ambiente da casa

É possível dizer que o tapete é o toque final em um ambiente, aquele arremate da decoração. A arquiteta Ana Yoshida, do escritório Ana Yoshida Arquitetura e Interiores, concorda: “esse elemento dá aconchego e enriquece o ambiente como um item decorativo”. Existente em uma infinidade de tonalidades, tamanhos e materiais, nem sempre é fácil escolher o tapete perfeito para a casa. As dicas da arquiteta são um ponto de partida para definir qual o modelo ideal de acordo com as suas necessidades.

Lembre-se: é interessante comprar um tapete com tamanho suficiente para que encaixe por baixo dos móveis como os sofás, realmente emoldurando as áreas (Foto: Evelyn Müller)

Função e tamanho

Os tapetes setorizam os ambientes. De acordo com a arquiteta, esse elemento funciona melhor quando apresenta dimensões superiores à área que deve demarcar, sem ficar perdido ou solto no espaço. “É sempre bom jogar um tapete para baixo do sofá e da poltrona para abranger também o mobiliário. Ele torna as salas mais amplas e funciona como um link dos elementos que estão nela”, comenta. Em termos gerais, recomenda-se um recuo de pelo menos 10 cm do tapete para baixo dos sofás.

Atenção: considere sempre a espessura e altura do seu tapete, principalmente em relação às portas, que recuarão e não podem ter a mobilidade impedida. Nesses casos, é interessante que eles não sejam muito grossos. Essa atenção ao material e altura dos pelos também vale para espaços com cadeiras e poltronas, como a sala de jantar. Nesse caso, o tapete deve ocupar um espaço maior que o das cadeiras. Caso contrário, elas poderão se enroscar em suas bordas.

O tapete do quarto precisa ser agradável ao toque dos pés descalços. Os pelos mais altos são uma boa pedida (Foto: Evelyn Müller)

Material

A escolha do tecido do tapete depende, entre muitos fatores, do ambiente onde ele estará. “Na sala, por ser um ambiente que recebe visitas, é possível colocar um tapete mais nobre de acordo com estilo da decoração e do morador. Entre os materiais, recomendo algodão e seda, pois têm o toque fofinho, combinado com o suave, e costumam ser peças de boa qualidade. Um tapete de lã também é uma boa pedida, pois tem a vantagem do conforto térmico-acústico”, explica Ana. Não existe uma regra pronta, variando entre modelos rústicos, despojados, clássicos...

No quarto, um ambiente de menos fluxo de pessoas e onde reina o aconchego, a indicação é de um tapete com toque gostoso e mais pelos.

Já na sala de jantar, pode ser que a melhor pedida sejam os tapetes com tecido sintético – mais fáceis de limpar e com pelo baixo que ajuda na manutenção e no manuseio das cadeiras. “Uma dica para limpeza é impermeabilizar os tapetes para a sujeira sair mais fácil”, comenta.

Quando pensamos em tecidos, precisamos considerar a manutenção. Cada tipo de tapete, assim como acontece com os estofados dos sofás, precisa de um cuidado e se adapta a perfis de famílias diferentes. É o caso do tecido sintético preferível para a sala de jantar, dica válida também para famílias com crianças pequenas e animais de estimação. Quem possui alergias também se beneficia de optar por modelos com o material.

O azul e laranja do tapete se repetem nos móveis (Foto: Sidney Doll)

Cores 

Existem mais tons de tapetes do que você consegue imaginar – incluindo peças de cor única, com muitas nuances e até degradês. A vantagem disso é poder usá-lo em parceria com almofadas e outros pontos de cor nos ambientes, criando uma conversa entre os elementos da decoração. Pode ser que você opte por fazer do tapete a base do décor e, por isso, escolha uma cor neutra com mais textura. Já se a preferência for que ele ancore a decoração como um destaque, pode-se optar por uma cor única que pauta toda a paleta de cores – como é o caso do azul, presente nos elementos principais desse apartamento.

Sobre Ana Yoshida Arquitetura e Interiores: Para explicar o portfólio atual e moderno da jovem arquiteta paulistana Ana Yoshida, com escritório desde 2008, é preciso ir além da formação em arquitetura e urbanismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Experiências com comunicação visual de lojas, cenografia de festas e eventos, e a paixão pela dança, que ela traz desde a infância, ajudam a compor o caldeirão de ideias que dá forma aos projetos de decoração e interiores cheios de bossa, estilo, personalidade e elegância.
Ana Yoshida Arquitetura e Interiores
Tel. (11) 3477-7326
www.anayoshida.com.br


quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Profissionais de arquitetura ensinam como montar um home office perfeito.

Atentos à tendência de exercer as atividades profissionais em casa, os arquitetos Renato Andrade, Erika Mello, do escritório Andrade & Mello Arquitetura, Cris Paola, do Studio Cris Paola, e Cristiane Schiavoni, à frente de Cristiane Schiavoni Arquitetura e Interiores destacam como deve ser a elaboração do ambiente.



Tanto no Brasil como em todo mundo, é cada vez mais crescente a prática do home office entre profissionais de todas as áreas. Segundo pesquisas realizadas no mercado, 55% dos brasileiros atuam em casa pelo menos uma vez por semana. O modelo de trabalho oferece uma série de vantagens, mas existem alguns pontos a serem observados para quem adotou a prática do trabalho remoto no ambiente do lar.

Por isso, os arquitetos Renato Andrade e Erika Mello, do escritório Andrade& Mello Arquitetura, a arquiteta Cris Paola, do escritório Studio Cris Paola, e a arquiteta Cristiane Schiavoni, do escritório Cristiane Schiavoni Arquitetura e Interiores, contam como a arquitetura e a decoração podem deixar o espaço propício para o trabalho e revelam dicas de como criar um home office. Confira:

1. Espaço

Antes de tudo é importante avaliar o tipo de escritório para ter em casa: um ambiente para trabalhar todos os dias ou para ser usado pontualmente – seja uma ou duas vezes na semana, ou como um ponto de apoio para atividades esporádicas. "Depois de entender a necessidade, é o momento de escolher o ambiente da casa para ser transformado no home office. Digo que essa prática não implica apenas em ligar o notebook e começar a digitar", conta a arquiteta Erika Mello.

Para quem conta com uma casa maior, vale investir em um espaço dedicado somente para o escritório, permitindo assim maior privacidade e a instalação de armários para guardar documentos e materiais.

No caso de apartamentos pequenos, o home office pode ser projetados na sala ou até mesmo no quarto. "Qualquer cantinho do apartamento pode se tornar um home office, já que instalar uma bancada de trabalho tornou-se muito comum”, explica Cris Paola.

2. Mobiliário e ergonomia

Com a rotina full time, pode ser que o morador precise espaço de armazenagem de documentos, livros e eletrônicos como notebook ou desktop – que influenciará nas dimensões do tamanho da bancada ou mesa –, bem como a impressora. "Para apoiar tudo que for necessário, a bancada fixa na parede é a melhor opção, mas caso seja necessário utilizar a mesa, recomendo encostá-la na parede", lembra Cris Paola.

A ergonomia do trabalho estuda a relação do ser humano com o ambiente em que ele se encontra. "Para tempos mais longos diante do computador, a bancada deve ter uma altura e profundidade onde seja possível apoiar o cotovelo para não forçar o ombro e a coluna, evitando problemas de saúde", aponta Cristiane Schiavoni. Entre as principais regras apontadas por ela:
80 cm para as pernas é um tamanho ideal
Na questão profundidade, 50cm para notebook ou 60/70cm para quem trabalha com desktop.

A cadeira deve ser confortável e ter um bom apoio para costas e braços. "A preferência são as cadeiras giratórias com rodinhas, que garante mais liberdade na movimentação", lembra Renato Andrade.

3. Iluminação

A iluminação é fundamental para o home office. Aposte em montar seu escritório próximo à janela, garantindo luminosidade e ventilação. Além dessa recomendação, a iluminação específica sobre a mesa, como arandelas de apoio, fitas de led em prateleiras sobreposta, ou até mesmo um pendente sobre a mesa promovem o conforto visual. "Recomendamos sempre a luz branca morna, em torno de 3000K, pois iluminará o suficiente para manter o aconchego que o ambiente pede", diz Erika.

4. Personalização

Passar horas em um ambiente pode se ornar prazeroso com a inserção de detalhes que remetam à personalidade do morador. Os detalhes fazem toda a diferença para o ambiente de trabalho: a aplicação de um papel de parede, quadros e placas decorativas são ótimas possibilidades para serem exploradas. "Vale muito ter um espaço com sua cara. Se o ambiente for agradável, o rendimento de trabalho será ainda melhor", finaliza Cristiane Schiavoni.

Andrade & Mello Arquitetura e Interiores
www.andrademelloarquitetura.com.br
@andrademelloarquitetura

Cristiane Schiavoni Arquitetura e Interiores
www.cristianeschiavoni.com.br
@cristianeschiavoni

Studio Cris Paola
www.studiocrispaola.com.br
Tel. (11) 3071-2888, São Paulo

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Cores do ano: Arquiteta Cristiane Schiavoni explica mais sobre as nuances escolhidas para 2019.

Arquiteta comenta os estudos de comportamento encomendados por especialistas em cores que revelam tons que remetem ao conchego, nostalgia e interiorização.

Coral Living traz alegria e otimismo | Foto: Carlos Piratininga

Todo ano, depois de aprofundados estudos de comportamento da sociedade e insights globais, marcas renomadas e especialistas em cores lançam novos tons como tendência para a temporada. Dessa maneira, norteiam lojas, arquitetos e consumidores sobre o que é importante e deve-se buscar para o lar.

A arquiteta Cristiane Schiavoni, do Cristiane Schiavoni Arquitetura e Interiores, conta um pouco mais sobre quatro cores escolhidas como tons de 2019 e como utilizá-las na decoração.

Coral Living

Conhecida mundialmente pelo seu sistema de cores, a Pantone lançou o guia PANTONEVIEW home + interiors 2019, um estudo que inclui 72 cores para o próximo ano divididas em oito temas. A principal cor mencionada pelo estudo é a Coral Living, nomeada como cor do ano. “O Coral é uma evolução das cores dos anos anteriores. Se antes os tons buscavam aconchego e interiorização, a nuance escolhida é um contraponto que transmite alegria e reenergiza. Vejo o Coral também como uma inspiração vinda dos anos 50 e 60, que remete ao sentimento retrô, e faz um ataque à era digital que tira o sossego do dia a dia”, conta Cristiane Schiavoni.

Neutro e aconchegante: Creme Bruleé é a cor da coral | Foto: Carlos Piratininga
Creme Brulée

Para o ano de 2019, o Colour Futures, estudo de tendências de cores da Coral, apresentou o Creme Bruleé. “Vejo que, mesmo sendo uma cor que engloba a paleta neutra, o tom remete ao aconchego que está em voga há algum tempo. Acredito que as pessoas estão em busca do acolhimento e interiorização, principalmente para dentro de casa”, defende a arquiteta.

Caverna

O tom apresentado pela Sherwin Willians no Colormix 2019, estudo de cores da marca, remete aos ancestrais, conectando o lar com um espírito livre e aventureiro. “Acredito que a ideia da marca foi trazer um tom que lembrasse o começo da humanidade, quando se usava cavernas e lugares fechados como lar. Por ser um tom quente, transmite acolhimento, porém com sofisticação.”

Quentão


O nome sugestivo que retrata o amarelo terroso, é o tom proposto pela Suvinil para 2019. “Próximo ao amarelo mostarda, muito utilizado nos anos 1970, o quentão é uma inspiração retrô e acredito que traz a tona memórias afetivas. Por ser uma nuance quente, também é responsável por trazer uma atmosfera mais acolhedora aos ambientes”, finaliza.

Sobre a arquiteta Cristiane Schiavoni: Formada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (FAU-USP), Cristiane Schiavoni atua na área de arquitetura, decoração e reforma desde 1996 e hoje, o escritório que leva seu nome, tem mais de 20 anos de história, reunindo centenas de projetos dentro e fora do Estado de São Paulo. Em suas criações residenciais e comerciais, publicadas em importantes veículos brasileiros, elementos-surpresa e toques de cor se misturam aos recursos que garantem o conforto e o aconchego dos moradores.

Acabamentos aplicados de maneira incomum e materiais versáteis também são presenças constantes nos trabalhos de Cristiane Schiavoni. O resultado se reflete na concepção de ambientes modernos, humanizados e dinâmicos, que convidam ao bem-estar e, principalmente, traduzem a essência de cada cliente.

Av. Imperatriz Leopoldina, 957, sala 1914, Vila Leopoldina, São Paulo
Tel. (11) 3649 4900
www.cristianeschiavoni.com.br
@cristianeschiavoni

sábado, 9 de fevereiro de 2019

Um brinde, já é Vendimia!

Como já dizia o novelista escocês Robert Louis Stevenson, "um bom vinho é poesia engarrafada". De fato, a bebida é uma obra prima, já que desde o processo de produção até seu engarrafamento, o vinho requer cuidado, paciência e boas escolhas. Tudo começa pela colheita, tão importante que tem nome próprio. Vendimia é a época da colheita das uvas. Durante o período, enólogos e vinicultores estão preparados para analisar o grau de maturação da fruta e escolhe-las literalmente a dedo, afinal, é algo fundamental para que o vinho tenha boa qualidade.


Onde acompanhar a Vendimia?
Caso você tenha o interesse em acompanhar de perto a colheita e aprender mais sobre a produção dos vinhos, Mendoza é um destino perfeito. Conhecida por suas vinícolas a se perder de vista, por lá a Vendimia acontece em fevereiro e março. Para ter uma experiencia completa na Vendimia, a escolha do hotel é muito importante, já que alguns oferecem atividades especiais e que acontecem só nessa data. É o caso do Casa de Uco.


Para começar, todas as vilas do hotel estão em meio aos vinhedos particulares da propriedade. Sim, o hotel tem sua própria produção de vinhos. Para a Vendimia, a programação é toda especial: primeiro, você participa da colheita e da tradicional pisa das uvas. Além disso, são feitas visitas aos vinhedos de Torrontés, Pinot Noir, Cabernet Franc e Malbec para conhecer de perto a vinha, descobrindo diferentes tipos de solos. Obvio que não poderiam faltar degustações de vinhos de cada lote, acompanhadas de tapas. 
 

E, para finalizar em grande estilo, o hóspede pode se deliciar com um clássico asado argentino com vista para a Cordilheira dos Andes. Também é possível passear pelas vinícolas a cavalo ou de bike e, por fim, relaxar no SPA com um tratamento especial para a safra, que inclui sauna seca, sauna herbal, banho regenerador, esfoliante com folhas de videira vermelha, Endinda Beauty (banho de algas, videira e sais andinos).

Anota aí: de 15 a 28 de fevereiro o Casa de Uco oferece condições especiais.