terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Por Ingrid Lisboa: Como guardar as roupinhas que não servem mais na criança.

Quando conversamos sobre a organização de roupas infantis nos meus cursos de organização de residências, sempre há uma pergunta recorrente: como organizar as roupinhas que não servem mais na criança, mas serão usadas pelo próximo filho ou por um primo ou filho de amigo da mamãe. 

Daí resolvi perguntar para algumas clientes e amigas, tanto as que guardaram por alguns anos estas roupinhas quanto as que começaram a guardar há pouco tempo. Divido com vocês minhas dicas, mas também as delas.


Uma cliente da HO seguiu minha dica de separar estas roupinhas por meses (Menino - RN, 3 a 6 meses, 6 a 9 meses), assim como fazem as lojas. Ela guardava tudo em sacos plásticos de reduzir volume. A Carla comprou vários da marca Space Bag fora do Brasil, mas se você achar o preço por aqui um pouco salgado pode investir nos da marca Ordene, que uso em casa e são muito eficientes para organizar as roupas do meu pequeno.

Atenção: O detalhe do uso dos sacos de reduzir volume é que somente roupas muito, mas muito secas mesmo, podem ficar nestes sacos, para evitar que a umidade vire uma mancha de mofo. 

Como eles são fechados a vácuo e não deixam a roupa respirar, qualquer umidade faz um estrago enorme. Além disso, nunca coloque roupas de seda e couro nestes sacos, porque estes tecidos mofam facilmente.



Em relação a que tipo de roupas guardar, a maioria das mamães que consultei guarda apenas as roupinhas que estiverem em excelente estado ou aquelas que remetem a alguma ocasião especial. Uma cliente minha, a Paula, me contou que batizou os filhos com a mesma roupinha com que foi batizada. Por isso está zelando cuidadosamente destas roupinhas, para que seus netos também possam ser batizados com a mesma roupa. Ela guarda esta roupinha especial numa capa de TNT, num cabide. Já a Marina Bernardes Xandó, que assina o blog AskMi e não pretende ter mais filhos, está guardando todas as roupinhas de maternidade da pequena Maria Victoria para que, no futuro, ela use em seu bebê. Que privilégio ter avós tão detalhistas e cuidadosas como a Paula e a Marina, não?

Agora vamos às peças que não estão na lista das que serão guardadas: devem ser doadas todas as que estiverem gastas (principalmente no joelho, quando o bebê está engatinhando), as que ficarem manchadas (seja lá do que for!), as que estiverem desbotadas de tanto serem lavadas e, inclusive, aquelas roupinhas lindas de vier, mas desconfortáveis. 

Uma coisa interessante que pude atestar com minha pesquisa é que, na maioria das vezes, boa parte das roupinhas acaba não sendo passada adiante. A personal chef especialista em comidinhas infantis Mayra Abucham, que é mãe de quatro crianças, me contou que a grande maioria das roupas de seus pequenos foi doada. Ela guardou apenas as que estavam bem bacanas. E, como utilizou caixas plásticas bem vedadas, mesmo guardando tudo no depósito de seu prédio, ao retirar as roupinhas teve apenas de lavá-las novamente. Nada de mofo ou manchas de guardado.

Mas claro que existem outras opções de armazenamento. A Marina Xandó, por exemplo, guardava tudo que iria para suas sobrinhas em malinhas super fofas (que eu vi e amei!!!), e abusou de etiquetas, para não misturar com outras roupas guardadas no mesmo local. Minha dica final, para complementar estas opções de armazenamento são as caixas de TNT. Elas são durinhas, resistentes e, como são feitas de material respirável e delicada, não estragam nem mancham nada. Para completar, coloque duas bolinhas de cedro em cada caixa, para evitar as indesejáveis traças. E boa organização!

Se quiser aprender organizar e administrar sua casa, conheça meus cursos de organização e gestão doméstica no www.homeorganizer.com.br/cursosdeorganizacaodomestica.

Beijos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário. Bjs.