Mostrando postagens com marcador Decoração. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Decoração. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 14 de dezembro de 2021

Preparando as festas: Arquiteta Carina Dal Fabbro dá dicas de como organizar a casa e receber os convidados nas festas de final de ano

Com orientações que vão desde a limpeza da casa até a troca de presentes, a especialista oferece um guia completo para ser o anfitrião perfeito

Com o avanço da vacinação, já é possível encontrar quem mais amamos, mas a cautela ainda é a melhor amiga da saúde. Por isso, celebrações mais intimistas são o ideal para a data! Desta forma, a ampla varanda projetada pela arquiteta Carina Dal Fabbro será palco de um Réveillon incrível. A persiana retrátil permite privacidade durante o jantar e quando aberta proporciona uma vista de tirar o fôlego para assistir a queima de fogos | Foto: Rafael Renzo


Final de ano é sinônimo de festas e celebrações ao lado da família e amigos. Após longos períodos de isolamento e eventos online, a vacinação e a diminuição dos casos de Covid-19 nos possibilitam a fazer encontros presenciais novamente. A expectativa para o Natal e Réveillon são grandes, mas você sabe como preparar a sua casa, receber os seus convidados e ser um anfitrião perfeito? A arquiteta Carina Dal Fabbro, que está à frente do escritório que leva seu nome, preparou um guia completo para as organizações da casa no antes, durante e pós festas. Confira!

Antes

1. Faça um cronograma para a organização da casa

Separe e lave as taças e louças especiais com alguns dias de antecedência. Assim, você conseguirá pensar nos detalhes da mesa posta com mais calma! | Foto: Priscila Amaral


Estabeleça um critério para a divisão de tarefas e monte um cronograma completo com tudo o que você precisará fazer até o dia da ceia. “Separe e lave as louças especiais em um dia, leve os tapetes para a lavanderia em outro, organize lençóis e travesseiros para os visitantes e lave cortinas em uma terceira data”, orienta Carina. Desta maneira, a agenda não ficará lotada nas duas últimas semanas do ano, você conseguirá aproveitar melhor as festas e não ficará com aquele ar de exaustão durante os jantares.

2. Organize o cardápio 

Com o Mise en place, o tempo para o preparo das refeições diminuirá e você terá muito mais tempo para celebrar ao lado de quem ama! | Foto: Rafael Renzo

Pesquise referências, defina os pratos e faça uma lista dividida entre as receitas que serão feitas em casa e as que serão compradas já prontas. “Para os pratos que serão feitos em casa, a minha dica é que compre os ingredientes com o máximo de antecedência possível. Com o avanço dos dias os supermercados costumam ficar um caos e é sempre bom evitar o estresse de longas filas e corredores cheios, não é mesmo?!”, discorre a especialista.

Uma outra facilidade na hora de preparar a ceia é não esquecer do Mise en place. Com a separação dos utensílios e ingredientes, previne-se que se esqueça de algum detalhe importante da receita e ainda torna o preparo dos pratos mais rápidos.

No que se refere aos itens do menu que serão comprados prontos, não se esqueça de fazer a encomenda com antecedência. Muitos restaurantes costumam ter as agendas de Natal e Ano Novo lotadas rapidamente. Se adiante para não ficar sem o seu prato favorito em dia tão especial!

3. Presentes

Mais uma vez a organização é a chave para conseguir dar mais um check na lista de afazeres do Natal. “Os presentes costumam ser um grande desafio, afinal temos que lidar com a singularidade e estilos diferentes de cada um. Por isso, pesquise todos com antecedência, estabeleça um orçamento e vá às compras certa do que comprar para cada um que você deseja presentear. Assim, a atividade será leve e prazerosa como o ato de presentear”, exemplifica Carina.

Outra alternativa ainda mais interessante e com valor afetivo é preparar pequenos mimos para cada convidado no melhor estilo DIY. Com tutoriais simples na internet ou seguindo receitas tradicionais de família, é possível fazer sabonetes, aromatizadores de ambiente, velas decoradas e até mesmo biscoitos amanteigados ou mini panetones para presentear quem você ama de maneira singular.

Durante

4. Músicas

A escolha da playlist é um dos fatores determinantes para o clima da festa. Por isso, deve ser escolhida com carinho e atenção. “Durante a recepção dos convidados e jantar, evite músicas muito altas e com batidas frenéticas. Opte por melodias suaves e que permitam as conversas sem a necessidade de falar mais alto”, reforça a arquiteta. Após o momento de reunião ao redor da mesa está permitido colocar para tocar aquelas músicas que fazem a família e amigos vibrarem em alegria. “Cuidado apenas com o volume do som para não incomodar os vizinhos. Empatia, principalmente nessas datas, nunca é demais”, completa Carina.

5. Cuidado com as crianças

Prepare brincadeiras para entreter os pequenos. A confecção de desenhos e cartinhas para o Papai Noel podem ser a atividade perfeita. Vale até mesmo preparar uma mesa só para eles. “Pratos de plástico, talheres que não machucam e copos divertidos podem fazer a alegria da criançada. Eles se sentirão especiais, construirão momentos inesquecíveis e ceia para eles será um show à parte!”, explica a especialista.

Prevenir e remediar! Com a organização do lavabo e a disponibilização de remédios e itens de costura, os seus convidados terão uma noite muito mais tranquila! | Foto: Rafael Renzo 



Imprevistos acontecem e a melhor saída para lidar com eles é ter sempre a mão itens que irão facilitar ou minimizar estes acontecimentos. Roupas podem descosturar, o sapato machucar, uma comida pode não cair tão bem ou até mesmo a maquiagem pode borrar durante as festas. Por isso, abasteça uma caixinha de primeiros socorros e deixa-a localizada no lavabo. Analgésicos, antiácidos, curativos, alfinetes e lenços umedecidos podem ser uma dica do que pode não faltar nessa caixinha!

Depois

7. Comece a organização pela cozinha

A limpeza e organização da cozinha já dão outro clima para a casa nos pós festas. Comece sempre por elas! | Foto: @buzinadeimagem por Herman Charles Christ

A festa acabou e a casa ficou uma bagunça? Comece a reorganizá-la pela cozinha. “Fogões, bancadas e fornos costumam ser mais fáceis de limpar enquanto a gordura ainda está ‘fresca’. Por isso, invista em um produto potente, coloque luvas e parta para a ação. Você vai ver como a tarefa será muito mais simples e rápida desta forma”, conta a profissional. Outra dica válida é levar direto para a máquina de lavar as toalhas de mesa e panos de prato. Quanto mais a sujeira seca, mais difícil fica removê-la.

8. Formas e travessas descartáveis

A lavagem de formas e travessas dos assados é mais uma das tarefas complicadas do período de festas. Mesmo deixando por horas de molho, a esfregação intensa ainda se faz necessária e o estresse aparece. Para evitar isso, aposte em formas descartáveis. Práticas e com um ótimo custo-benefício, elas podem ir do forno à mesa e logo após o término do jantar ao lixo sem grandes preocupações.

Sobre Carina Dal Fabbro Arquitetura

Formada pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo em Arquitetura e Urbanismo, Carina Angélica Dal Fabbro Saraiva tem experiência de mais de 25 anos na área de design de interiores e arquitetura. Coordena o escritório boutique que leva seu nome, gerenciando toda a sua equipe de arquitetos para o desenvolvimento de projetos. Participa pessoalmente de cada etapa e preza o atendimento personalizado a cada cliente. 

Após anos de parcerias e experiências, fundou o escritório que leva seu nome, Carina Dal Fabbro | Arquitetura e Interiores. Especializado em projetos de decoração para imóveis residenciais, corporativos e comerciais, todos os projetos levam em consideração as particularidades de cada um destes segmentos e é focado na máxima satisfação. 

O trabalho de Carina Dal Fabbro engloba desde as etapas de projeto, planejamento, administração de obras, coordenação de lojas e fornecedores até a entrega final do imóvel. 

Dezembro / 2021

Carina Dal Fabbro Arquitetura 

www.carinadalfabbro.com.br 

@carinadalfabbroarq 

Informações para a imprensa: 

Dc33 Comunicação 

Heloisa Vieira, Glaucia Ferreira e Danilo Costa 

pauta@dc33.com.br 

coordernacao@dc33.com.br 

danilo@dc33.com.br 

www.dc33.com.br


sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

Ótimos livros de Decoração e Tableware.

Bons livros de decoração e tableware são ótimas inspirações para casa, além de objetos de decoração, também para boas horas de paz e relaxamento em casa.

Duas boas indicações de livros de tableware são os livros da Amelinha Amaro. Histórias, tradições e vivências maravilhosas de uma das grandes precursoras de mesa posta do Brasil. Em seu terceiro livro, Encontros, Amelinha divide dicas valiosas e mostra toda sua essência. Créditos de imagem: Amazon 

Charlotte Moss inspira leitores a viver todos os dias com elegância e romance neste livro.  Moss tem foco em eventos pequenos e breakfast na cama ou chá da tarde com amigas ou uma elaborada comemoração de Natal ou um jantar focada em eventos desde pequenosl ou chá da tarde a uma elaborada comemoração de Natal.


Moss celebra o dia a dia trazendo seu entusiamo e impecável estilo para todas as atividades domésticas. Trazendo alegria junto a combinações. Vindo de refeições com combinações de sabores para uma grandes ocasiões para amigos e família.


Zaha Hadid é uma das mais inovadas e celebradas arquitetas. Nascidas em Iraq, viveu em Londres com vasto conhecimento e experiência em arquitetura inspirando arquitetos no mundo todo. Em Londres foi o escritório criador do Acquatics Centre que teve 05 anos de trabalho, Guangzhou Opera House na China e Edythe Broad Art Museum em Michigan. 



“Quero convidar você a entrar na minha casa e conhecer meus costumes e tradições familiares”.designer de interiores Marco Aurélio Viterbo tem mais de 30 anos de carreira e lança, neste sábado (06), seu primeiro livro intitulado “Marco Aurélio Viterbo Interiores”. 

quarta-feira, 24 de junho de 2020

Adega ou bar em casa: dicas para criar um espaço personalizado.

A arquiteta Carina Dal Fabbro orienta como compor um cantinho perfeito para receber os amigos e a família em busca de momentos únicos.

Neste apartamento, o bar criado sobre o aparador fica integrado ao living | Fotos: Rafael Renzo


É quase um consenso dos projetos de interiores atuais: os moradores curtem muito ter áreas sociais integradas para interagir com a família e os amigos. Além de conforto para acomodar todo mundo, começando por um amplo sofá com bastante área de apoio, outro item que dificilmente fica de fora da decoração é o barzinho. Um local pensado para deixar as bebidas sempre à mão na hora de servir as visitas com toda classe é mais que bem-vindo. Para quem deseja montar o seu próprio cantinho, vale acompanhar as dicas da arquiteta Carina Dal Fabbro, à frente do escritório que leva seu nome.


O layout do ambiente é o primeiro ponto a ser levado em conta antes de definir como será o cantinho dedicado às bebidas. Isso porque antes de planejá-lo, é preciso saber qual vai ser a área destinada ao bar e em que lugar ele estará alocado. “Podemos dispor sobre o aparador, num espaço reservado na estante do living ou jantar, carrinho de chá ou até mesmo sobre a mesa lateral com uma bela bandeja”, orienta Carina. Outra alternativa é investir numa adega pronta ou projetá-la na moradia. O que vai determinar a melhor opção é o espaço disponível, e é claro, o gosto dos moradores pelas bebidas.

O espaço sob medida no apartamento inclui adega para 24 vinhos, prateleiras para outra bebidas, taças e acessórios | Fotos: Priscila Amaral Santos

Para os enófilos, as adegas são indispensáveis na hora de armazenar e manter os rótulos brancos, tintos e de espumantes com as temperaturas ideais de cada um. Com um projeto personalizado, é possível criar uma área climatizada, em que a temperatura pode ser controlada de forma adequada, de acordo com os diferentes tipos de bebida. A ideia é garantir que as características sejam mantidas até o momento da degustação. Esse tipo de adega demanda mais investimento e um espaço maior, já que precisa de todo um sistema que preserva temperatura, umidade e luminosidade do espaço. Há ainda os ambientes mais simples, que não são climatizados, mas preveem espaço para adegar portáteis, prateleiras de apoio para bebidas e taças, além de mobiliário sob medida para guardar saca-rolhas, corta-gotas e outros acessórios - um exemplo é o ambiente criado por Carina Dal Fabbro.

Anote a dica: é fundamental ficar atento às especificidades de uma adega. O local não pode receber luz direta do sol e nem deve ser extremamente quente. A luz, principalmente do Sol, pode causar problema nos vinhos, degradando e envelhecendo os rótulos prematuramente. Portanto, convém que o ambiente seja o mais escuro possível, contando com iluminação embutida e, preferencialmente, indireta, segundo a arquiteta.

Bem aproveitado, o espaço sob a escada recebeu marcenaria planejada com lugar para uma pequena adega e uma cristaleira | Fotos: Thiago Travesso

Para quem não tem espaço ou verba para investir em um ambiente climatizado, pode investir em adegas elétricas. Neste caso, é importante que o espaço tenha pontos de energia para ligar o aparelho. “Próxima dela, sugiro prever um móvel para comportar as taças, que precisam estar a mão. Pense também em gavetas para armazenamento de saca-rolhas, porta-copos, marcadores de taças, guardanapos, enfim, tudo o que pode ser útil no bar”, explica Carina.

Em espaços pequenos, o bar pode ser montado numa simples bandeja, que receberá algumas garrafas e taças, além de saca-rolhas e um decanter de vinho. Para esses cantinhos, a dica da arquiteta é iniciar pela organização das garrafas, expondo aquelas preferidas. Em seguida, separe alguns itens para deixar à mostra, como uma linda coqueteleira. “Também vale fazer uma composição mais clean, somente com algumas garrafas e um vaso com folhagens”, completa.

Outro tipo de bar que faz muito sucesso é equipado com bancada e banquetas. Para não errar no tamanho da bancada, a arquiteta dá a dica para saber se o local requer móvel alto ou baixo. Caso a bancada tenha 75 cm de altura, o ideal são banquetas baixas, de 40 a 45 cm do piso ao assento. Se há o desejo por uma bancada intermediária, com altura entre 90 e 92 cm, a banqueta pede cerca de 65 cm. A altura mais usada varia entre 1,10 a 1,15 m de altura e banquetas com altura de 70 a 75 cm.

Sobre Carina Dal Fabbro Arquitetura

Formada pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo em Arquitetura e Urbanismo, Carina Angélica Dal Fabbro Saraiva tem experiência de mais de 25 anos na área de design de interiores e arquitetura.

Coordena o escritório boutique que leva seu nome, gerenciando toda a sua equipe de arquitetos para o desenvolvimento de projetos. Participa pessoalmente de cada etapa e preza o atendimento personalizado à cada cliente.

Após anos de parcerias e experiências, fundou o escritório que leva seu nome, Carina Dal Fabbro | Arquitetura e Interiores. Especializado em projetos de decoração para imóveis residenciais, corporativos e comerciais, todos os projetos levam em consideração as particularidades de cada um destes segmentos e é focado na máxima satisfação.

O trabalho de Carina Dal Fabbro engloba desde as etapas de projeto, planejamento, administração de obra, coordenação de lojas e fornecedores até a entrega final do imóvel.

Carina Dal Fabbro Arquitetura
www.carinadalfabbro.com.br
@carinadalfabbroarq


domingo, 7 de junho de 2020

8 dicas essenciais para adaptar a decoração da casa com bichos de estimação.

Profissionais do arqdecor mostram como adequar a morada para receber e proteger os pets.

Em outubro é comemorado o Dia Mundial dos Animais. Companheiros para todas as horas, eles possuem uma data especial desde 1931. O dia 4 do mês destaca a importância que os bichinhos têm na vida das pessoas, evidenciando o respeito e o compromisso com todos os seres vivos.

Decoração com pets/Foto: Divulgação

Carinho, atenção, latidos de alegria, uma amizade para toda a vida. Não tem como não amar! E os números comprovam isso. Os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2013, mostram que há 132 milhões de pets no Brasil. Ainda segundo a pesquisa são 53 milhões de cachorros, 38 milhões de aves, 22 milhões de gatos, 18 milhões de peixes ornamentais, além de 2,7 milhões de pequenos répteis e mamíferos.

Apesar de muito gratificante, alguns cuidados precisam ser tomados antes de comprar ou adotar o novo melhor amigo. Incorporar caminha, “banheiro”, brinquedos, recipientes para água e comida, ou seja, a estrutura básica, com a decoração do apartamento ou da casa não é uma tarefa fácil. Porém, é possível construir um ambiente que seja bom tanto para os humanos quanto para os bichinhos, contribuindo para uma convivência feliz e saudável.

Pensando nisso, o Estúdio Cipó – formado pela arquiteta Fernanda Angelo e a designer Elisa Meirelles, o arquiteto Pietro Terlizzi e o designer de interiores Henrique Freneda reuniram dicas essenciais na hora de montar um décor prático, confortável e sem deixar de lado o estilo e a personalidade dos moradores. Segurança, móveis, adaptações, pisos e revestimentos ideais para tornar o lar perfeito para todos.

Segurança em primeiro lugar:

Antes de qualquer coisa, medidas de segurança precisam ser tomadas para proteger o bichinho. Colocar rede de proteção nas janelas e varandas do apartamento evitará acidentes graves. Os animais, sobretudo gatos e cachorros, gostam de subir nos batentes para tomar sol, brincar e até mesmo quando ficam assustados.

“É essencial que a tela esteja bem presa à parede para oferecer maior segurança”, alerta Henrique Freneda. Seja nos quartos, na varanda ou na cozinha, o importante é pesquisar a melhor marca, acompanhar a instalação junto ao profissional e certificar-se quanto à resistência da rede.


Redes de proteção são essenciais para proteção dos animais/Projeto: Pietro Terlizzi/Foto: Guilherme Pucci

Já os fios dos aparelhos eletrônicos devem ser encapados ou embutidos em painéis de madeira. Além disso, as tomadas precisam estar tampadas com material próprio.

Tecidos ideais para os animais:

Ter um animal em casa exige mudanças, mas isso não significa que o estilo do morador deve ser deixado de lado. Para achar um meio termo, o ideal é saber exatamente o que pode facilitar essa convivência.

Os bichos de estimação soltam muitos pelos, não tem como evitar. Por isso, os tecidos que revestem sofás, poltronas, cadeiras e almofadas recebem uma atenção especial. “Esses móveis devem ser revestidos com materiais fáceis de limpar, como couro, microfibra e poliéster”, conta o arquiteto Pietro Terlizzi.

Preste atenção nos tecidos/ Projeto: Korman Arquitetos/Foto: JP Image

Entre os pets, os gatos apresentam a particularidade de afiar as garras, por isso o melhor é evitar tecidos que desfiem facilmente ou com texturas. “Tudo precisa ser liso e sem aderência para as unhas”, completa Pietro. Quanto às cores, os tons neutros médios ajudarão a esconder o rastro de pelos. As tonalidades mais claras e escuras evidenciam a presença de manchas e sujeiras.

E os tapetes?

Ao trazer filhotes para casa, tenha em mente que eles demoram a aprender o lugar certo de fazer xixi. Por isso, vale considerar um tempo sem os tapetes, até os pets estarem treinados. Se não for possível retirar, materiais como o sisal e a fibra sintética são mais fáceis de limpar. “Além do desinfetante comum, a espuma mágica é um produto essencial para tapetes e sofás”, diz a arquiteta Fernanda Angelo.

Escolha o tapete ideal/Foto: Banco de Imagem

Proteção para a sua cama:            

Geralmente, cãezinhos e gatinhos são muito apegados. Muitas vezes, eles acabam indo dormir na cama junto com seus donos. “Nesse caso, vale investir num protetor de colchões. Caso haja acidentes, o líquido não afeta o colchão”, aconselha Terlizzi.

Os pets adoram dormir na cama com os donos/Projeto: Korman Arquitetos/Foto: JP Image

Outra dica importante é investir em móveis resistentes sob medida que aguentem os impactos dos possíveis saltos dos bichos. Sem deixar de lado o conforto e harmonia da decoração.

Piso e revestimento:

Tudo precisa ser planejado antes de ter um animal em casa. Os mínimos detalhes dos ambientes precisam ser adaptados para o bem-estar. No chão, para impedir que os cachorros e gatos se machuquem ao escorregar, o ideal é escolher um piso não poroso. Assim, revestimento cerâmico e porcelanato rústico ou antiderrapante se mostram como as melhores opções. Já o de madeira deve receber um selador para fechar os poros, evitando a infiltração de urina e fezes em possíveis acidentes. “Além de práticos, esse materiais são fáceis de limpar”, afirma Henrique Freneda.

Os revestimentos das paredes também exigem atenção especial. Os lisos com painéis de madeira e os de tijolinho acrescentam no décor e facilitam o dia-a-dia. “Paredes com tintas laváveis são uma boa opção para manter a higiene e manter a casa linda!”, conta Pietro Terlizzi.

Objetos de decoração:

Todo o cuidado é pouco quando se trata dos objetos de decoração perto dos animais. O minimalismo evitará dores de cabeça se os pets da casa forem muito bagunceiros. Entretanto, caso não seja possível seguir este estilo, a dica é guardar os itens frágeis ou muito pesados dentro de estantes com portas fora do alcance dos pets. “Assim como com as crianças, o melhor é deixar peças pontiagudas longe para afastar a possibilidade de acidentes”, recomenda Elisa Meirelles.

Mantenha os objetos quebráveis longe dos animais/Projeto: Estúdio Cipó/Foto: Julia Ribeiro

Plantas por todos os lados:

É possível ter bichos de estimação e plantas ao mesmo tempo? Claro! Tomando as medidas de segurança necessárias, todo mundo ficará feliz. Jamais tenha espécies venenosas ou com espinhos, principalmente perto dos animais que podem comer essas folhas e passarem mal. Além disso, é fundamental evitar as plantas que acumulem água, pois se o líquido for ingerido poderá causar doenças.

Mamona, carambola, jasmim manga e comigo-ninguém-pode são proibidas pela toxicidade. Já as espécies fênix, cactos, babosa, coroa-de-cristo não podem ser compradas pela presença de espinhos. “As melhores espécies são jabuticaba, lavanda, alecrim, hortelã, calêndula e limão siciliano”, disse Fernanda Angelo. A solução é pendurar vasos de médio e pequeno porte em lugares inalcançáveis.

Decoração adaptada:

Basta ter criatividade para integrar os objetos dos pets na decoração da casa. A caminha, por exemplo, pode receber um tecido que combine com o sofá, as almofadas e a cortina, compondo um estilo divertido na sala. Uma ideia interessante é reproduzir um móvel dos donos em escala menor e deixar o ambiente mais fun.

A cama pode fazer parte da decoração/Projeto: Pietro Terlizzi/Foto: Guilherme Pucci

Além disso, é possível planejar um mobiliário que incorpore os itens dos bichinhos. Estantes, aparadores e mesas de centro que tragam nichos para encaixar os potinhos e caixas de brinquedo. Pensando nisso, o Estúdio Cipó projetou um criado-mudo com uma caminha embutida na parte de baixo. Desse modo, o cachorrinho da família ganhou um espaço bem pertinho dos donos.

Criado-mudo com caminha/Projeto: Estúdio Cipó/Foto: Julia Ribeiro

Os moradores que possuem gatinhos, por sua vez, precisam se preocupar com a tendência a escalar todos os móveis. Uma ideia criativa é posicionar nichos nas paredes que, ao mesmo tempo, organizem os objetos dos humanos e sirvam de playground para esses animais. “O ambiente se transformou em um refúgio tanto para os donos quanto para os pets! A marcenaria sob medida permite a liberdade de produzir móveis divertidos e funcionais para todo mundo”, diz Elisa, a designer do Cipó.

Nichos de parede servem de brinquedo para os gatinhos/Projeto: Estúdio Cipó/Foto: Julia Ribeiro

Os bichinhos adoram participar da vida familiar. Seja brincando, dormindo junto e até seguindo os donos para todos os lugares. Cada vez mais, os projetos de décor dos imóveis trazem soluções que se adaptem a esse hábito carinhoso. Um exemplo é ter uma pequena abertura na parte de baixo das portas para livre passagem dos pets.

Abertura para passagem dos pets/Projeto: Korman Arquitetos/Foto: JP Image

Sobre o Estúdio Cipó

Inaugurado há dois anos, o Estúdio Cipó é fruto da parceria entre a arquiteta Fernanda Angelo e a designer de interiores Elisa Meirelles. Depois de seguirem trajetórias individuais, as profissionais reuniram suas expertises na produção de projetos de arquitetura e interiores, além de uma outra grande paixão: a produção do design de móveis, composto por peças modernas e funcionais executadas em madeira – matéria-prima considerada uma paixão por Fernanda e Elisa. À frente das etapas de projeto, planejamento e execução, a dupla busca na beleza da arte e arquitetura a inspiração e os elementos para compor os projetos residenciais que assinam. “A harmonia dos elementos atua diretamente na missão de transformar o morar e trazer felicidade na vida das pessoas. Isso nos motiva”, afirmam.

www.estudiocipo.com.br
@estudiocipo
Rua Piacá, 37 – Alto de Pinheiros – São Paulo – SP
Fone: (11) 3798-9148

Sobre Henrique Freneda: Apaixonado por design de interiores, Henrique Freneda tem ampla experiência na área. De paisagista, ele buscou seu sonho maior e se formou em Designer e já realizou mais de 70 projetos entre casas, apartamentos, projetos comerciais e até cenários de televisão. Henrique segue um estilo moderno contemporâneo e se inspira em grandes nomes como Olegário de Sá e Norman Foster. Utilizando sua expertise no assunto, atualmente está na televisão aberta com o quadro “Casa e Decoração” sobre arquitetura e design no programa “Papo em Dia” com Luciano Faccioli e Gisele Alves, na Rede Brasil de Televisão. O profissional também criou e assinou o cenário do “Vida e Estilo”, fazendo algumas participações ao lado da apresentadora Amanda Françozo.

Serviço:
@frenedainteriores
www.frenedainteriores.com.br
(11) 97301-0330

Sobre Pietro Terlizzi: Formado pela FAU Mackenzie em 2009, foi sócio da Arch Stage Projetos por sete anos. O arquiteto abriu seu próprio escritório Pietro Terlizzi Arquitetura e Design em 2016, onde atua em todas as etapas do projeto, desde a elaboração do conceito à execução da obra. Com pouco mais de três anos de história, o escritório assina mais de 30 projetos, entre residências, escritórios e estabelecimentos comerciais, marcados por um estilo moderno, pela presença de materiais rústicos e pela combinação de paletas neutras com toques vibrantes de cor.

Pietro Terlizzi Arquitetura e Design
pietroterlizzi.com.br
@pietro_terlizzi_arquitetura

sábado, 14 de março de 2020

Korman Arquitetos ensina como combinar cadeiras e mesa de jantar.

O espaço de convívio entre família e amigos merece atenção quando o assunto é a escolha dos móveis para compor o ambiente.

Para quem gosta de ter os amigos e a família reunidos ao redor da mesa, a sala de jantar é um dos espaços da casa que mais merecem atenção. É lá onde acontecem os encontros regados a boa comida e conversa. Porém, projetar um espaço convidativo e confortável para receber pode ser um desafio, afinal, existem muitas dúvidas sobre como combinar a mesa e cadeiras. A Korman Arquitetos traz algumas dicas para acabar de vez com esses questionamentos.

Combinação traz mesa laqueada e cadeiras de madeira, o destaque fica pelo elemento bem brasileiro: a telinha no encosto e assento | Foto: Gui Morelli.

A primeira coisa a se pensar é o dimensionamento de mesas e cadeiras. De nada adianta ter um bom espaço e acabar escolhendo móveis desproporcionais, que deixam a sala sem ergonomia. O mesmo vale para peças pequenas, que acabam não atendendo a necessidade dos moradores. Comece considerando, pelo menos, 60 cm de circulação.Para mistura dar certo aposte em móveis que tenham o mesmo estilo visual. 

Nesta sala de jantar, as linhas retas e contemporâneas evitam o erro de composição | Foto: Gui Morelli

Determinado o tamanho das peças, é hora de escolher os móveis para compor a área do jantar. “O bom senso é o que vai reger. Se os pés da mesa de jantar tiverem um desenho limpo, cadeiras antigas em estilo ou modernas não brigarão com o conjunto. 

Agora se a mesa for de madeira com um estilo mais demarcado, eu não recomendo cadeiras mais modernas – a não ser que tenham pintura laqueada. Já as cadeiras laqueadas com a mesa moderna fazem um conjunto divertido”, exemplifica a arquiteta Ieda Korman, uma das sócias da Korman Arquitetos.

“Hoje em dia as peças não precisam ser todas iguais. Essa mistura mostra a personalidade do projeto e dá bossa à composição”, conta Carina Korman | Foto: JP Image

A decoração de interiores está cada de vez mais livre de regras e paradigmas, é um terreno fértil para ideias originais e personalizadas. “Aquela história de usar tudo combinando, escolher móveis idênticos e objetos em pares vem perdendo espaço para propostas completamente diversificadas”, acredita Carina. Misturar cadeiras de diferentes cores, desenhos, estilos e materiais é uma tendência bem atual e possibilita proporcionar ambientes muito mais interessantes e com o seu jeito. “Em algumas situações, há quem vai além e, em vez de cadeiras, compõe ambientações exclusivas incluindo também bancos e até mesmo poltronas”, completa.

Para quem já tem uma mesa bacana ou quer reaproveitar cadeiras antigas, está liberado. A dica de Carina é simples: “A escolha dos novos itens devem partir das peças já presentes na decoração. Fazemos questão de manter os móveis que os moradores já têm, pois isso ajuda a contar a história da decoração”, finaliza a arquiteta.

Sobre a Korman Arquitetos

Korman Arquitetos é mais que um escritório. Representa a geração de arquitetos que levam a marca dos projetos assinados há mais de 35 anos. Formado pelo casal Silvio e Ieda Korman, hoje tem na equipe a força de Carina Korman e, em equipe, assinam projetos residenciais, comerciais e de hotelaria – tanto no Brasil, como também no exterior.

Korman Arquitetos
Rua Groelândia, 1877, Jardim América, São Paulo
Tel.: (11) 3060-8313
www.kormanarquitetos.com.br
@kormanarquitetos

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

Designer de interiores Giseli Koraicho ensina como escolher a cabeceira ideal para o dormitório.

Com o advento das camas box, os diferentes estilos de cabeceiras, combinado ao décor do ambiente, assumem o protagonismo nos projetos de quartos 

A chegada de um novo ano costuma vir acompanhado do desejo de mudanças em casa. Um novo toque no décor nos ambientes da residência renova a atmosfera do lugar e responde aos anseios do morador.

No dormitório – ambiente tão íntimo e pensado para momentos de relaxamento e descanso – não poderia ser diferente. Entre tantos itens para renovar, você já pensou na cabeceira da cama? Com o advento dos modelos box, que surgiu como uma substituição para as tradicionais camas de madeira com estrado, em um primeiro momento a cabeceira deixou de receber a atenção merecida. Mas pouco tempo depois o item deixou de ser tratado como coadjuvante para ser destaque nos projetos de interiores.

A designer de interiores Giseli Koraicho, do escritório Infinity Spaces, ressalta que a cabeceira exerce inúmeras funções. Além de proporcionar conforto para o morador, que pode, por exemplo, apoiar-se para seus momentos de leitura antes de dormir, a peça alçou o status de acabamento diferenciado para a parede que apoiará a cama. “Nos projetos que realizo, aprecio muito a importância que a cabeceira assume”, afirma a profissional.

Baseada em sua experiência, ela compartilha dicas de como deixar o dormitório ainda mais aconchegante por meio da cabeceira.

1. Como escolher a cabeceira ideal

A designer de interiores explica que o ponto de partida para a decisão está relacionado ao gosto e as expectativas dos moradores. “Se a preferência for pelo conforto em momentos como recostar e assistir um filme, as cabeceiras estofadas são um caminho natural para a execução do projeto”, destaca Giseli.

Todavia, se o cliente destacar o desejo pela praticidade e uma estética arrojada, é possível trabalhar com alternativas como a marcenaria e a serralheria em desenhos exclusivos.

2. Principais modelos

Com um leque de materiais disponíveis no mercado, é possível produzir cabeceiras dos mais diversos estilos. Geralmente, as versões estofadas são revestidas de tecidos – lisos, estampados e xadrez, entre outros, ou o couro, que nas versões legítimo, sintético e ecológico oferecem resistência. É um ótimo apoio para as costas e minimiza o aparecimento de manchas.

Quando a opção for a madeira, a flexibilidade da matéria-prima permite fluir a criatividade através do uso de acabamentos com a laca, trazendo um efeito moderno ao ambiente. O uso de madeiras de demolição para alcançar um efeito rústico, a madeira trabalhada, também conhecida como entalhada, que permite criar os mais variados desenhos no material, ou o estilo moderno, que pode ser combinado como outros elementos como espelho e metal, por exemplo.

Em situações com verbas mais restritas, Giseli Koraicho dá uma sugestão bem especial. “Uma dica é delimitar a área de descanso com adesivo, pintura ou papel de parede”, destaca.

3. Altura e largura ideais

Sobre as medidas, Giseli responde que não existe uma regra determinada, mas sim alguns parâmetros devem ser considerados. No caso da largura, a cabeceira pode acompanhar a dimensão completa da parede ou ficar delimitada ao tamanho da cama. “Nessa coerência, o que não pode acontecer é trabalhar com uma cabeceira inferior à largura da cama”, alerta.

Quando se trata de altura, não existe limitações. Todavia, a recomendação é que a cabeceira ofereça o apoio completo para as costas quando o morador estiver sentado.

Algumas propostas da profissional:

Projeto Infinity Spaces | Foto Eder Bruscagin

A cabeceira estofada, que vai de uma parede a outra, se integra à parede revestida com espelho. Além de dar um melhor acabamento para a composição, a escolha criou a sensação de amplitude no ambiente. Na decoração, os tons neutros deixaram o espaço sofisticado e aconchegante para o casal.

Projeto Infinity Spaces | Foto Eder Bruscagin

Quando se trata de um quarto infantil, deixar a imaginação fluir é um caminho para ingressar no universo dos pequenos. Aqui, a cabeceira trouxe uma proposta lúdica, com o formato de casinha, e tem a cor favorita da menina, o rosa. Sua extensão, superior ao tamanho da cama, foi proposital: ao pintar o painel de MDF com tinta lousa, Giseli tornou o canto ideal para brincadeiras.

Projeto Infinity Spaces | Foto Eder Bruscagin

Com a proposta de dormitório sofisticado, a cabeceira de couro foi combinada com o papel de parede escuro. A beleza do material é ressaltada pela iluminação – posicionada na mesinha lateral e na própria cabeceira –, agregando requinte ao quarto.
Projeto Infinity Spaces | Foto Dotta

No quarto projetado em uma casa localizada no litoral de São Paulo, a extensão da cabeceira de madeira faz as vezes de divisória para o banheiro. Além de delimitar os espaços, os elementos vazados oferecem espaço para objetos de decoração. 

Sobre Infinity Spaces Arquitetura e Interiores

Giseli Koraicho, designer de interiores formada pela Panamericana de Arte e Design, à frente da empresa Infinity Spaces, que atua na área de projetos de arquitetura e design de interiores, tem como principal meta tornar sonhos em realidade.

Atuante no mercado residencial e corporativo, Giseli, tem como principal objetivo manter-se sempre atualizada e em constante aprimoramento profissional. Só assim, acredita ela, conseguimos bem atender e superar expectativas. Cada projeto é encarado como único e é sempre um novo desafio - “Nada melhor após a conclusão de um projeto, sentir e comprovar que meu cliente sente-se acolhido no ambiente projetado e, mais do que isso, que sua personalidade está marcada dentro de cada um dos espaços”, diz a profissional que vem atuando no mercado há mais de cinco anos.

No mercado corporativo, Giseli, desenvolveu projetos para grandes empresas do mercado de escritórios, como a Infinity Officing Network (HQ Global Worplaces), que demanda não apenas ambientes personalizados, mas infraestrutura e total capacidade de adaptação de espaços de acordo com cada cliente.

“Escritórios são extensões de nossas residências, por isso o bem estar e a funcionalidade nesses locais devem ser tratados como prioridade na execução de um projeto. Hoje, passamos a maior parte de nosso tempo trabalhando e, por isso, sentir-se bem no seu ambiente de trabalho é essencial.”, acredita Giseli, que mantém seu foco nas necessidades individuais de cada empresa e na personalização de cada projeto corporativo. 

Infinity Spaces Arquitetura e Interiores
Designer de Interiores Giseli Koraicho
(11) 3736-8600
www.infinityspaces.com
@infinityspacesarqdesign


terça-feira, 7 de janeiro de 2020

Paris: um pequeno roteiro para conhecer a cidade.

Impossível após uma viagem para Paris não escrever sobre lugares, sobre bons restaurantes para bons cafés e lugares para procurar coisas de décor na cidade. Como não passar um dia visitando a Torre Eiffel e ir parar num café delicioso numa rua próxima e pensar um pouco na vida? E um passeio na Saint Honoré para simplesmente caminhar ou encontrar algo diferente, talvez mais sofisticado, um pouco mais descolado ou um bom perfume, e ver a decoração linda de Natal da Galeria Lafayette? 



Acima, décor de Natal da Galeria Lafayette. Paris para mim, especialmente nesta época em que visitei foi assim, infernal para encontrar um taxi quando o celular está sem bateria, deliciosa para um passeio e simplesmente apaixonante. Hoje, como já visto, o post é sobre Paris, sobre como aproveitar a cidade. 

Nada como boas referências, e para começar nada como falar de bons livros para uma viagem e sites como referência. Em viagens é sempre bom utilizar um site de referência. Meu preferido em Paris é o Conexão Paris, que inclusive já tivemos posts com dicas da cidade aqui no Blog. No post foram dicas de restaurantes na cidade que foram maravilhosas. Outro site muito bom, neste caso, para outras cidades também é o Mary And The City, que já escreveu aqui no blog também. Tem um bom livro também que eu adoro chamado Paris Pra Você. Um outro livro com muitas referências boas é Folha de São Paulo Europa, este eu utilizo sempre em viagens.

A Torre Eiffel, lugar imperdível. Como não visitar Paris e não ficar encantado com sua grandiosidade? Para quem ama arquitetura e design é um grande passeio (aliás, tem um post sobre 15 lugares para quem gosta de arquitetura da Casa Vogue sobre o assunto que é uma boa sugestão para quem gosta do assunto e pretende visitar Paris visitando lugares de design.. E, claro, a foto abaixo para relembrar a cidade com o seu cartão postal. Quem não tem o chaveiro da Torre Eiffel vendido por lá por imigrantes? Criada pelo arquiteto Gustave Eiffel em 1889, foi construída como arco de entrada da Exposição Universal de 1889, localizada no Champ de Mars, a construção de ferro tem 324 metros e foi a estrutura mais alta do mundo até 1930. 



Museu Rodin: inaugurado em 1919, é famoso por esculturas como o Pensador e O Beijo, que aliás é uma escultura que eu adoro. Aliás, o Conexão Paris tem um post sobre o local.

Rio Sena, lugar especial para um fim de tarde e uma parada num restaurante para um Croque Monsier ou outro prato (e este, assim como o Croissant é bem parisiense) com uma taça de vinho ou um bom café. Fica bem perto do Louvre e da Saint Honoré e de uma rua com lindos objetos de décor. Aliás, esta região é deliciosa para um belo passeio.

Cafés e Restaurantes:

La Coup D´Or: Um café delicioso na Saint Honoré, em Place Vendôme, com mesas na calçada para um bom vinho ou simplesmente um Café acompanhado de um delicioso mousse de chocolate. La Coupe d'Or -- 330 rue Saint-Honoré, 75001 Paris.


Café Lauduré: Como não experimentar os deliciosos macarrons neste lugar simpleste icônico na cidade? 75, avenue des Champs Élysées

Próximo a Torre Eiffel tem o Café Gustave com croissants e petiscos, cafés e doces. A atmosfera do local é deliciosa, após uma tarde passeando pela região.


La Rotonde Saint Honoré: É um restaurante muito bem localizado, obviamente, com pratos mais sofisticados como o Entrêcote até fritas para um almoço despretencioso. 105 boulevard du Montparnasse, 75006 Paris, França. +33 1 43 26 48 26

La Fregatte: Um restaurante em frente ao Rio Sena com um Croque Monsieur delicioso. Contact 01. 42. 61. 23. 77 1 Rue du Bac. 75007 Paris.

Para um blog de decoração, impossível não falar de bons lugares para compras para casa. As melhores regiões são a da Saint Honoré e perto do Rio Sena com lojas lindas de todos os tipos de objeto.Uma das lojas que visitei na cidade e gostei foi uma loja de essências, perfumes e velas, a Dyptique. As essências e velas são maravilhosas e fica na região da Saint Honoré. Endereço: 330-332 Rue Saint-Honoré, 75001 Paris, França
Horário: 
Fechado ⋅ Abre à(s) 10:30
Telefone: +33 1 42 33 19 79

Esta é a Paris que eu vi, com muitos lugares, porém, com muitos lugares lindos e ainda, com lugares para conhecer.



segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Pietro Terlizzi ressalta a importância de entender as etapas de um projeto de arquitetura.

Desde a primeira conversa com o cliente até o projeto executivo, o trabalho do profissional de arquitetura passa por diversas fases.

Projeto: Pietro Terlizzi Arquitetura. 

Quando o morador contrata um arquiteto, nem sempre ele conhece todos os processos que um projeto de arquitetura envolve. Desde a primeira conversa com o cliente até o projeto executivo, o trabalho do profissional passa por diversas etapas. O arquiteto Pietro Terlizzi, à frente do escritório que leva seu nome, esmiúça os sete passos de um projeto de arquitetura.

1. Briefing

A primeira etapa de um projeto de arquitetura ou de interiores é uma entrevista com o cliente, a partir da qual se estabelece o programa de necessidades, ou briefing. Nesse momento inicial, o arquiteto reúne o maior número de informações possível sobre as expectativas do contratante e o que ele precisa, como a quantidade de ambientes e o número de pessoas que vão usar o espaço. O briefing também é importante para fechar o contrato com os valores e prazos de duração do projeto.

2. Estudo do local

A seguir, o arquiteto faz um levantamento de dados, como metragem, níveis, condições topográficas e ambientais, para verificar se o terreno está apto a receber a construção. Nas visitas ao local, o profissional também estuda a orientação solar para garantir o conforto térmico da obra, definir aberturas como portas e janelas, e a posição da piscina, por exemplo. No caso de edificações prontas, essa etapa permite avaliar características gerais da rua e dos imóveis vizinhos.


3. Estudo de viabilidade

O passo seguinte é o estudo de viabilidade, em que o arquiteto analisa se o projeto ficará de acordo com o Plano Diretor e o Código de Obras da Cidade.

“Para a construção do zero, é necessário o levantamento topográfico do terreno, orientação solar, além de coleta de dados e das diretrizes da Prefeitura, para então começar os desenhos de projeto”, resume o arquiteto Pietro Terlizzi.

4. Estudo preliminar

Nessa fase, o projeto começa de fato a ganhar forma. Croquis, plantas baixas, imagens 3D e outras representações da construção nascem no estudo preliminar. “Na apresentação das imagens em 3D, o cliente já consegue visualizar como o projeto ficará na íntegra”, conta o profissional.

5. Anteprojeto

O anteprojeto é uma etapa de aprofundamento, em que o profissional define aspectos mais técnicos da obra para assegurar um bom projeto executivo, que é a última fase.

6. Projeto legal

É o projeto de aprovação enviado à Prefeitura para avaliar se está de acordo com as normas do município e para que a construção seja autorizada. Reformas de interior de apartamentos, casas ou lojas, por exemplo, não necessitam de aprovação da Prefeitura.

No caso de apartamentos, contudo, é preciso ter a validação do condomínio. “A reforma em apartamentos leva em consideração as plantas originais da construtora. Além disso, é preciso avaliar junto ao condomínio as permissões previstas em assembleias condominiais para fechamento de varanda e alteração de fachada, por exemplo”, esclarece o arquiteto.

7. Projeto executivo

“A partir disso, seguimos as mesmas etapas tanto para um projeto de arquitetura quanto para um de interiores, com os projetos de civil (elétrica, hidráulica, forro, luminotécnica, gás e dutos de ar condicionado), especificação de revestimentos e pintura, projetos de marcenaria, marmoraria, e todos os detalhamentos que forem necessários para compor o projeto”, explica Pietro.

O projeto executivo, que é o projeto “final”, reúne as plantas que vão para o canteiro de obras, além de todas as especificações e documentos necessários para iniciar a obra. Nele, o arquiteto detalha os materiais, medidas, pontos de hidráulica e de iluminação, como um guia para quem vai executar o projeto. Muitos escritórios de arquitetura também oferecem o serviço de acompanhamento de obras, dando suporte ao cliente em todo o processo.

Essas sete etapas de um projeto de arquitetura são o padrão, mas podem variar dependendo do tipo do projeto e do cronograma de trabalho de cada escritório ou profissional. “No nosso escritório, em obras de apartamentos, costumamos seguir os seguintes passos: entrevista com o cliente, estudo preliminar, produção de imagens em 3D, projetos de execução, obra e decoração”, exemplifica Pietro.

Sobre Pietro Terlizzi

Formado pela FAU Mackenzie em 2009, foi sócio da Arch Stage Projetos por sete anos. O arquiteto abriu seu próprio escritório Pietro Terlizzi Arquitetura e Design em 2016, onde atua em todas as etapas do projeto, desde a elaboração do conceito à execução da obra. Com pouco mais de três anos de história, o escritório assina mais de 30 projetos, entre residências, escritórios e estabelecimentos comerciais, marcados por um estilo moderno, pela presença de materiais rústicos e pela combinação de paletas neutras com toques vibrantes de cor.

Pietro Terlizzi Arquitetura e Design
pietroterlizzi.com.br
@pietro_terlizzi_arquitetura